Páginas

terça-feira, 5 de julho de 2011

CAPÍTULO 25 - Coração apertado




Tinha acabado por adormecer... Acordei a meio da noite com um aperto no coração e liguei de imediato o telemóvel, na esperança de ter uma mensagem do Fábio...
Depois do telemóvel ligar, esperei que entrasse alguma mensagem, e nada... A luz do visor apagou-se, e eu não tinha nenhuma mensagem... Imediatamente a seguir a luz do visor acendeu-se, e por segundos parei de respirar. O meu coração acelera, mas, quando olho para o ecrã vejo:
De: MelhorAmiga(L)


Nem tive forças para abrir a mensagem da Joana. O meu reflexo mais rápido foi o de desligar o telemóvel novamente! Pousei o telemóvel sobre a mesa de cabeceira e senti o coração partir. Eu não queria, mas era inevitável, era mais forte que eu...O meu coração estava dorido, e as lágrimas rapidamente se apoderaram de mim.
Tinha pintado um retrato tão perfeito deste amor, que esta situação tinha demolido algo dentro de mim. Estava magoada... O facto de pensar que podia ter uma mensagem do Fábio, ainda era uma esperança em mim, mas depois de ver que não, um misto de sentimentos invadiu o meu pensamento. Se calhar ele não quer saber se eu estou bem ou estou mal... Se calhar nem se lembra de mim... Se calhar está ocupado com outras coisas e não pensa em mim... Na minha cabeça, o "se" era o pensamento predominante. A verdade é que eu tinha medo, muito medo... Era a primeira discussão e eu não sabia o quão forte era este amor, para resistir a isso...



PONTO DE VISTA DO FÁBIO:
Os rapazes saíram da  minha casa por volta da meia noite. A Katyanne não saía da minha cabeça...
Fui tomar um banho e tentar não pensar em nada, mas a verdade é que me recordei de toda aquela pequena discussão, que podia não ter sido assim tão grave, mas que era a nossa primeira discussão...
Fui deitar-me e senti-me triste... Eu não sei o que se passou dentro de mim, mas a verdade é que não gostei de ver a empatia que ela tinha com o David e todas aquelas brincadeiras... Gosto demasiado dela! E se a perder? Isso não pode acontecer, não pode...
Queria tanto telefonar-lhe, mas a esta hora ela já deve estar a dormir, e para além disso nem deve querer ouvir-me. Tenho noção que fui duro com ela, na última coisa que lhe disse. Eu só quero tê-la comigo e fazê-la feliz.
Pensei, pensei e pensei. Decidi telefonar-lhe! Não aguentava mais, precisava de ouvir a voz dela!
Procurei então o nome dela na lista e liguei-lhe. O meu coração palpitava na esperança de ouvir o sinal de chamada, quando me apercebi que nem sequer chamava. Ouvi a indicação de que ela tinha o telemóvel desligado. Mas o que é que eu fui fazer?? Longos minutos depois, consegui adormecer.


**********


No dia seguinte acordei e pensei de imediato no Fábio. Olhei para o telemóvel e recordei-me nitidamente do sucedido. Levantei-me e decidi não ligar o telemóvel.
A Joana convidou-me para irmos à praia, juntamente com o Hugo, e assim o fiz, pois estava a precisar de me distrair. 
Quando cheguei a casa, ao fim do dia, liguei o telemóvel e tinha uma chamada do Fábio.
O meu coração deu pulos de alegria! Não sabia o que fazer então decidi ligar-lhe.


- Estou? - disse ele, ao atender, com uma voz trémula.
- Estou. Ligaste-me esta noite? - perguntei de modo a arranjar um pretexto para ouvir a voz dele.
- Sim. Tinhas o telemóvel desligado.
- Pois. Lembraste-te tarde demais.


Ele não respondeu. Só conseguia ouvir a sua respiração que me parecia triste e desiludida.


- Amanhã fazemos ou fazíamos cinco meses... - disse eu, tentando avançar na conversa.
- Eu sei. Isso é inesquecível. Fazíamos???


Não consegui responder, pois tinha a consciência de que tinha exagerado.


- Fogo Katyanne, não estava à espera disso. Fazíamos? Bolas, por uma discussão!!!
- Não... Desculpa... - disse-lhe num tom arrependido.
- Olha, amanhã às onze vem ter a minha casa, se puderes. Precisamos de falar, muito a sério.
- Está bem. - disse-lhe num tom triste, intimidada pelo sério tom da sua voz, dando de seguida um longo suspiro. - Até amanhã. - disse-lhe, desligando rapidamente o telemóvel, para que não pudesse ouvir mais nenhuma palavra.


Eu estava de rastos. Pelo tom da voz dele, parecia que estava deveras chateado! 
No dia seguinte fazíamos 5 meses, e ele queria ter uma conversa comigo... 
Será que ele acha que isto já não resulta? Será que ele me vai deixar?



3 comentários:

  1. continua estou a gostar da historia....
    bjux

    ResponderEliminar
  2. fantastico...

    quero mais...

    continua...

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Iniciei uma nova fic, aqui fica: http://ijustkeepbreathing.blogspot.com/ , conto lá contigo, és bem-vinda!
    E continua com o teu excelente trabalho! :D
    Beijinhos*

    ass: a autora da fic: http://nemoceueolimete.blogspot.com/

    ResponderEliminar