Páginas

quinta-feira, 19 de maio de 2011

CAPÍTULO 15 - Até ao pôr do Sol




- O almoço estava bom? - perguntou-me o Fábio.
- Estava óptimo! Tal como a companhia...
- Assim fico envergonhado!
- Não precisas de ficar! - respondi com uma enorme vontade de lhe dar um beijinho, coisa que não fiz para manter a discrição.
- Olha, amanhã vais ver o nosso último jogo?
- Queria muito ir, vou falar com a Joana. Achas que amanhã ainda há bilhetes?
- Não sei, mas eu dou-te. Vais só com ela?
- Não dás nada! Acho que o meu irmão também deve querer vir...
- Dou sim, e não se fala mais no assunto!
- És muito teimoso, não és?
- Não, simplesmente não faz sentido pagares um bilhete!

Eu sorri, como forma de agradecimento. Ele era realmente um querido!

- Então e já estás farta desta companhia ou queres ir dar um passeio?
- Hum... Importas-te que vá para casa? - disse-lhe, fazendo um ar sério.
- Já? Claro, claro. Eu levo-te. - disse ele atrapalhado.
- Ahahah, tontinho, eu estava a brincar!
- Que mázinha! Pensava que já estavas farta de mim! Então onde vamos?
- Onde tu quiseres... 
- Que tal à nossa praia? - sugeriu ele.
- Nossa praia? - disse eu, sorrindo automaticamente.
- A que fomos da última vez... - disse ele novamente meio envergonhado.
- Eu percebi... Não sabia que eras assim...tão romântico!
- Bem, lá está ela a querer pôr-me envergonhado de novo! É melhor irmos andando!

Saímos do restaurante e dirigimo-nos à praia. Cada vez gostava mais de estar com o Fábio. Ele era tão especial!
Chegámos à praia e caminhámos à beira-mar, de mãos dadas.
Sentámo-nos num lugar onde não estavamos expostos e ficámos a apreciar o mar.

- Gosto deste lugar... - disse eu.
- Gostas?
- Claro. Foste tu que me trouxeste cá... Foi aqui que...me aproximei de ti...
- Aproximaste-te e não me resististe!
- Ahah, que convencido!
- Eu? Não estou a dizer uma verdade?
- Estás... - aproximámo-nos e beijámo-nos apaixonadamente.

PONTO DE VISTA DO FÁBIO:
Beijámo-nos apaixonadamente. Dentro de mim tudo vibrava. Quando estava com a Katyanne tudo era mágico... Ela não era uma qualquer e eu percebi isso desde o primeiro dia em que a vi. Não é daquelas coisas que se vê e sedeseja para algo mais... Foi algo honesto, sincero. Não penso noutras coisas, pois ela é diferente. Eu sinto que começo a criar algo forte, é como se a conhecesse à imenso tempo e confiasse bastante nela! Só quero conhecê-la ainda melhor, e do pouco que conheço, sinto que ela é única! Não sei o dia de amanhã, não sei onde esta relação pode vir a dar, não sei se posso chamar a isto, aquelas coisas à primeira vista. Eu tenho um carinho enorme por ela, gosto de estar com ela...gosto dela...! Não podemos ainda falar de amor porque ainda é cedo, mas pelo que sei sobre amor, é esta a mulher que quero amar!

Ficámos na praia, namorámos e conversámos, até o sol começar a pôr-se.
Eu não queria sair dali... da nossa praia...

2 comentários: