Páginas

terça-feira, 12 de abril de 2011

CAPÍTULO 8 (Parte I) - Conversa no estádio da Luz

Era quinta-feira, da última semana de aulas. Para variar, o Fábio não me saía da cabeça. Não tinha grande parte do dia ocupado, e algo me disse que eu devia falar com o Fábio. Eu estava a ser infantil, tinha noção disso, mas só estava a tentar proteger-me.
Pensei muito... "Será que devo ligar-lhe?"... Até que pensei em ligar ao David, visto que ele tinha sido tão simpático comigo, talvez me ajudasse.


- Estou, David?
- 'Tou? Você mi ligando? Tá tudo legal?
- Sim, está. Surpreendi-te assim tanto?
- Não, não! Cê podji ligar sempre que quiser.
- Olha, eu precisava de falar contigo, se tiveres uns minutos, claro.
- É sobre o Fábio?
- Sim...
- Olha eu daqui a quinze minutos vou treinar, se quiser falar rapidinho ou então ligo depois pra você.
- Ah... vais treinar! O Fábio está aí?
- Sim, tá. Olha, boa ideia, porque é que você não vem ver a gente?
- Achas que posso? Ou...devo?
- Sim, claro. Assim eu via você pessoalmente, é que a única vez que vi você foi bem no meio de todas as luzes da discoteca, não deu pra ver bem, não!
- Ahahah, pois...
- Assim falava o que queria, e aproveitava falava com o Fábio.
- Ok, vou fazer isso então. Até já.
- Até já, um beijo.


Cheguei ao estádio, e sentei-me em baixo, bem perto do relvado para que eles me pudessem ver. O David olhou para mim, e de seguida chamou o Fábio apontando na minha direcção. Acho que estava a perguntar ao Fábio se era mesmo eu. É provável que o David não se lembrasse bem da minha cara, pois só me tinha visto uma vez, mas depois de trocar duas ou três palavras com o Fábio, acenou-me. Também lhe acenei, e olhei para o Fábio à espera de um acto semelhante ao do David, mas ele simplesmente olhou, e continuou o seu treino. Os dois foram conversando, e no final do treino, o David dirige-se perto da bancada onde eu estava.


- Oi! Cê veio mesmo!
- Se calhar não devia ter vindo...
- Não diz isso não. Olha vou tomar um banho e me arrumar. Cê não pode entrar junto dos balneários, me espera junto daquela entrada restrita aí em cima, cê sabi?
- Sim.
- Tá bom, então não me demoro.


Reparei que enquanto eu falava com o David, o Fábio olhou, e de seguida entrou para os balneários. Ele parecia estar mesmo chateado comigo... Dirigi-me então à zona onde tinha combinado esperar pelo David.


- Demorei? - perguntou ele ao chegar.


Abanei a cabeça indicando que não. Ele aproximou-se e cumprimentou-me com dois beijinhos. Fiquei calada e corada, como uma criança quando está com vergonha.


- Que se passa? Cê tá com vergonha?
- Não... Mais ou menos!


Bem, ver o David Luíz aproximar-se com os seus caracóis molhados, perfumado e a vir dar-nos um beijinho na cara... Qualquer pessoa ficava assim!


- Não tem vergonha não, gata!
- Assim fico ainda pior! - disse eu a rir-me.
- Me desculpa! Bem, queria falar comigo, tem aqui café privado prós jogadores, quer ir lá?
- Mas depois o Fábio não aparece lá?
- Ah...pois... - coçou a cabeça - deve sim. Mas você não quer falar com ele?
- Ele está chateado comigo...
- Sim, eu sei! Mas você não quer resolver?
- Pois...não sei...
- Nossa, estamos tendo já toda a conversa aqui! Vem, vamo pra um lugar bem no cimo do estádio e conversamos em paz.


Segui-o até ao elevador. Entrámos, e o telemóvel dele tocou.


- 'Tou? 'Tou? Não tenho rede aqui! - e desligou.


A porta do elevador abriu-se e fomos dar a uma sala de convívio com uma vista linda para o estádio. Ele indicou-me um sítio para me sentar e foi ao bar. Depois, chegou ao pé da mesa com dois sumos, e sentou-se.


- Bom, podemos falar então.
- Bem, eu sei que tu és amigo do Fábio, e quase não me conheces, mas eu queria saber se ele te disse alguma coisa sobre mim...
- Sim, ele fala muito dji você, foi por isso que eu liguei na outra vez. Ele ficou triste e preocupado porque você não atendia o telemóvel pra ele. E depois que você atendeu pra mim, ele ficou fulo.
- Eu só decidi afastar-me porque... Eu acho que tu sabes qual é a imagem que os jogadores passam em questão às mulheres.
- Sim, vocês pensam que nós queremos pegar todo o mundo e não sentimos amor por nenhuma.
- Pois... E eu tive medo de criar algum tipo de sentimento e depois sair magoada... É claro que eu estava a pensar só em amizade...Mas eu nunca tive um amigo famoso, essas coisas às vezes são complicadas.
- Agora eu entendo porque é que o Fábio simpatizou com você...
- Porque é que dizes isso?
- Porque você é diferente das outras mininas, você não se atirou pra nós!
- Pois, eu não sou assim, mesmo...
- Eu já vi... E nós também não somos como você 'tá pensando... Somos homens normais, e olha que o Fábio é homem sério, ele não brinca não. E não seria capaz de brincar com você, acredita!

2 comentários: