Páginas

sexta-feira, 22 de abril de 2011

CAPÍTULO 11 - O desejo de um beijo

- Falei agora com o médico, ele disse que o Hugo está fora de perigo. Foi só um susto. Bateu com a cabeça, vai fazer mais alguns exames, e fracturou o braço. Graças a Deus que não foi nada pior. - disse a minha mãe.
- Ufa, que alívio! Pensei que fosse mesmo grave! Não posso ir vê-lo? - perguntei.
- Ainda não. Ele está a fazer exames. Quando pudermos, o médico avisa.

Olhei para a Ju, ela estava muito aflita, mas tal como eu, mais aliviada.

- Queres ir para casa? - perguntei-lhe.
- Não, eu vou ligar à minha mãe a dizer o que se passou.
- Diz-lhe que dormes na minha casa.
- Está bem, já venho, vou telefonar. - disse a Ju.

Ela afastou-se para ir telefonar. Eu sentei-me à espera de notícias, ao pé dos meus pais.

- Como é que vieste tão rápido? - perguntou a minha mãe.
- Vieram-nos trazer.
- Quem?
- Ai mãe, cusca! O Coentrão!
- Aiii meu deus, só podes estar a gozar filha! - disse-me ela.
- É verdade! Eu ia jantar com eles lá no estádio, mas ligaste-me, eu vim logo.
- Hum... Andas com muitos conhecimentos!

Entratanto a Ju já lá estava e o médico deu-nos ordem para ir ver o Hugo.
Agora só tinhamos que esperar pelos resultados dos exames. Ele veio connosco para a sala de espera. Os meus pais tinham ido beber café, e eu tinha ido comprar qualquer coisa para comer, para mim e para a Joana. Ela tinha ficado ao pé do Hugo. Quando cheguei, a Ju já não estava lá.

- A Joana? - perguntei ao meu irmão.
- Não sei... Deve ter ido à casa de banho.
- Estás bem? - perguntei.
- Achas?
- Pronto, desculpa!

A Joana estava a vir da casa de banho, com uma cara estranha. Sentou-se um pouco distante e eu fui levar-lhe a comida.

- Que se passa? - perguntei-lhe.
- Nada...
- Vá! Podes dizer!
- Eu e o teu irmão beijámo-nos... - disse-me ela.
- O quê???

Ela não respondeu mais. Entretanto os meus pais chegaram, e o médico disse que estava tudo bem com o Hugo e que podíamos ir embora. A Joana passou o caminho todo calada, quando chegámos já era tarde e fomos dormir...

No dia seguinte, assim que acordei, olhei para o telemóvel, que me tinha esquecido de ver devido a tudo o que se tinha passado.

De: David Luiz :$
"Tou preocupado com você :( Assim que souber notícias do seu irmão me fala"

De: Coentrão :$
"Se precisares de alguma coisa diz... Não gostei de te ver assim. Como é que ele tá?"

Respondi-lhes de imediato... Entretanto a Joana acordou, e não falou.

- O que é que deixou assim amuada? - perguntei.
- Epá, não devia ter beijado o teu irmão!
- Então porque é que o fizeste?
- Não sei... Epá, ele é teu irmão! Acho que também não me ia sentir bem no teu lugar... - disse-me ela.
- Tipo, é estranho, não vou mentir... Mas se vocês gostam um do outro eu não tenho nada a ver com isso. Só não quero que se magoem um ao outro, mas que também não se esqueçam que eu existo.
- És tão tonta! E tão ciumenta! - disse-me ela.
- Ahah, e tu és tão parvaaa!

Os meus pais tinham ido trabalhar. A Joana tinha ido falar com o meu irmão e parecia que tinham começado a namorar. Apesar de ser estranho, deixei os pombinhos sozinhos em casa e decidi ir à Luz, ver os treinos. Agora era mais fácil, pois os seguranças já me conheciam e sabiam que eu era amiga dos jogadores.
Cheguei, e passado pouco tempo o Fábio viu-me e acenou-me. Logo a seguir, foi o David. Quando o treino terminou, o Fábio fez-me sinal para esperar por ele. Assim que chegou ao balneário, ligou-me.

- Olá.
- Olá! Que boa surpresa, ver-te aqui. Já te vais embora?
- Não, vou passar na MegaStore. - disse eu.
- Então quando saires, vem ter comigo à saída dos balneários, pode ser?
- Claro. Até já, beijinhos.
- Beijinho.

Tinha ido à loja do Benfica, mas acabei por não comprar nada. Rapidamente, fui ter ao local onde já tinha da outra vez esperado pelo David. Os jogadores estavam todos a sair e cumprimentei-os.

- Veio-nos ver? - disse o David.
- Sim, não tinha nada para fazer...
- Tá dizendo que somos segundo plano! - e riu-se - Não ficou cuidando do seu irmão?
- Não... A Joana está a tratar disso! - e ri-me.
- Queres ir dar uma volta? - perguntou-me o Coentrão
- Eiii Fábio, larga a moça! - disse o Amorim.

O Fábio riu-se envergonhado.

- Não estás cansado? - perguntei.
- O homem é de ferro! - disse de novo o Amorim, em tom de brincadeira.
- Este hoje tirou o dia! - disse o Fábio entre risos - Se estivesse, não te convidava...
- Hum, então aceito! - respondi.

Despedi-me dos rapazes e fui com o Fábio até ao carro dele.

- Onde vamos? - perguntei.
- Deixo à tua escolha...
- É melhor não... Tu é que és o famoso, sabes os sítios onde te sentes mais anónimo...
- Queres ir a uma esplanada perto da praia? - perguntou-me - Prometo que vai ser melhor que aquela nossa ida ao cinema...
- Estás a dizer que foi mau? - disse num tom provocador.
- Claro que não, mas... Pensei que percebias, esquece. - de repente ficou corado.
- Estás com vergonha? - perguntei.
- Eu? Achas? - e rimos os dois.

Chegámos ao café, comemos um gelado e fomos conversando sobre a forma como nos conhecemos.

- Eu confesso que nunca tinha visto ninguém numa discoteca a dançar com tão bem. Pensei mesmo que fosses dançarina profissional. - disse-me ele.
- Ahah que exagero! Bem quando vos vi, passei-me!
- Ahah, exagerámos a olhar para ti, eu sei... Mas eras o centro das atenções daquela noite, temos que admitir...

A conversa continuou... Fomos dar uma volta pela praia, que estava praticamente vazia, onde só sei viam alguns surfistas.

- O David disse-te alguma coisa sobre mim? - perguntou-me se repente, quebrando o silêncio durante a caminhada à beira-mar.
- Não... Depois de o conhecer na discoteca, a primeira vez que falei com ele, foi porque ele me telefonou e por acaso foste o assunto. Mas não foi nada de mais. Ele estava preocupado contigo, porque tu estavas preocupado comigo.
- Oh... Eu tinha gostado muito de todas as nossas saídas, e tu de repente deixaste de me falar. Não me atendias o telemóvel, e depois de ele me dizer que lhe tinhas atendido, fiquei mesmo a pensar que estavas zangada comigo por algum motivo.
- Eu não estava chateada por nada... Estava um bocadinho zangada comigo, talvez... Na altura, achei que era melhor afastar-me de ti... És uma pessoa conhecida...
- Mas, eu não entendo. Afastas-te de mim por ser conhecido, mas depois aproximas-te do David... Isso não faz sentido...

Estávamos sentados na areia...Olhei para ele intensamente. O meu coração batia a mil à hora... Sentia borboletas na barriga... Continuava a olhar para ele intensamente... Tinha vontade de tocar nos lábios dele, tinha mesmo...cada vez mais...

- Para mim faz sentido... - disse-lhe, vendo que também olhava para mim. Acho que ele começava a perceber o que ia na minha cabeça, ou melhor, no meu coração.

Continuavamos a olhar fixamente um para o outro. Sentia que ele era como um íman... A vontade de o beijar não parava de aumentar! Só pensava para mim : "Eu não posso...! Até que eu baixo a cabeça, ele vira a dele, em direcção ao mar, e permanecemos assim, em silêncio...

- Mas agora, já não queres afastar-te de mim? - perguntou-me.

Queria beijá-lo, abraçá-lo... Só eu sei os sentimentos e vontades que passaram pela minha cabeça! Sentia o coração cheio, aconchegado, quentinho...mas ao mesmo tempo acelerado, nervoso, ansioso...
Olhei para ele, e abanei a cabeça dizendo que não...

2 comentários:

  1. fantastico...

    quero mais...

    continua...

    ResponderEliminar
  2. tá lindo :D
    vem daí um beijinho ou não? :p quero o próximo!
    beijinho

    ResponderEliminar