Páginas

sábado, 30 de abril de 2011

CAPÍTULO 13 - Pedido oficial





No dia seguinte, preparei-me para ir ter com o Fábio. Estava nervosa... Talvez, com borboletas na barriga... Tentei pôr-me bonita!



Cheguei, e ele já estava à minha espera.

- Estás linda... Isso é tudo para mim?
- Estou normal... Achas que era para quem? Quero agradar-te! - disse-lhe.
- Agradas-me de qualquer forma.
- És um querido!
- Eu sei... - mandou-me a língua de fora. - Olha, vem comigo...

Levou-me ao meio do campo, onde se via o estádio inteiro, de uma forma única.

- As coisas ontem aconteceram muito rápido e... - disse-me ele.
- E...? O que se passa? - perguntei ficando assustada.
- Katyanne... - e fez uma pequena pausa - Queres namorar comigo?

Eu fiquei... Nem sei! Sentia-me... Aiiiii foi inexplicável! Senti um arrepio, os meus olhos iluminaram-se, e as lágrimas quase que me vieram aos olhos... Mas aguentei, soltei um enorme sorriso e...

- Claro que sim. - e beijámo-nos de seguida.

Ficámos lá durante algum tempo a viver aquele momento romântico... Afinal de contas ele tinha sido mesmo romântico e queria "oficializar" um pedido.

Fomos almoçar e foi um almoço que se prolongou pois conversámos imenso... Falámos um pouco sobre as nossas vidas, para que pudessemos conhecer-nos melhor.
Também chegámos à conclusão que era melhor não assumirmos nada perante as pessoas pois ainda estávamos no início, e normalmente a imprensa gostava de destruir namoros com as suas mentiras.
Decidimos que eu podia contar à minha melhor amiga, e ele podia dizer aos colegas, visto que tinha a certeza que não haveria problema, pois todos estavam "no mesmo barco".

Depois do almoço fui vê-lo a treinar. Adorava olhar para ele, era uma ternura para mim vê-lo a jogar. Ele para mim era perfeito!

No final do treino, ele saiu com os rapazes. Eu estava à espera dele.

- É esta a minha miúda. - disse ele aos colegas. - Agora biquinho calado!
- Olha, a Katyanne? "Ché" mano! - disse o Amorim. - Katy, este gajo tá todo feliz!
- Ainda bem, é bom sinal! - disse eu.
- Nossa, não 'tava esperando não. Eu sabia que havia aí amorzinho entre vocês, mas foram rápidos! - disse o David Luiz, a rir.
- Todo el mundo sabe que Fábio es muy rápido! - disse o Roberto.

Todos começaram a rir.
Eu estava realmente feliz e orgulhosa. Para além disso, estava ansiosa para ir contar à Joana e ao meu irmão.
Fui para casa, onde não estava ninguém. Adormeci, e quando acordei, estava lá a Joana e o Hugo.

- Olá amor! Então, agora não queres outra coisa! - disse eu provocando a Joana.
- Bolas oh mana, deixas a minha namorada em paz? - disse o Hugo, brincando comigo.
- Ahah, que lindo! A minha namorada...! Olhem, eu gostava de falar convosco, pode ser?
- Claro! - disse a Ju.

Fomos os 3 para o meu quarto.

- Bem, vocês sabem que são as pessoas em quem eu mais confio... Tu, porque apesar de seres um melga, és o meu irmãozinho lindo e sei que posso contar sempre contigo. E tu, porque o nome "melhor amiga" diz tudo...
- Vem aí discurso Katte? Que se passa, desembucha! - disse a Joana, enquanto que o meu irmão me olhava com um ar confuso.
- Vocês têm de me prometer que isto não sai daqui! Mas não pode sair mesmo! É que eu não aguento se não vos contar, mas mais ninguém pode saber disto, ninguém!
- Eh lá, Katyanne, demoras muito? - disse o Hugo, impaciente e já a achar pouca piada.
- Eu...tenho um namorado...
- Ei, ei, ei! O quê? Isso já não me cheira bem! - disse o Hugo.
- Ahah, só tu é que podes, queres ver? - disse a Joana, mordendo-lhe a bochecha.
- Menos...! É que o meu namorado... chama-se Fábio Coentrão.

A Joana soltou um "O quê???" e de repente saltou para cima de mim a abraçar-me.

- Estás a gozar, não tás? - disse o Hugo, estupefacto.

É óbvio que ele acreditava, mas o espanto era tanto...!

- Quando é que o apresentas à tua família? - perguntou a Ju.
- Nós queremos ir com calma... Não queremos assumir nada para já. Ainda é tudo muito recente, não sabemos se as coisas resultam, e como ele é conhecido é tudo mais complicado.
- Eu não acho nada boa ideia andares com um jogador. Olha que se ele te faz alguma cena parto-lhe a cara! - disse o Hugo.

Confesso que a parte de ele ser jogador era algo que por um lado eu achava muito bom, mas por outro, mau. Mas eu agora não queria pensar nisso... Estava feliz, e queria continuar a sentir-me assim!

- Prometam-me que isto não sai daqui.
- É preciso prometer oh minha croma? - disse a Ju.
- Fica descansada, mas já sabes... Olha que se ele não te fizer feliz...! - disse o Hugo, sempre com o seu instinto protector.
- Que tonto! - e ficámos os três a rir e a conversar mais um pouco.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

CAPÍTULO 12 - O início de uma paixão

Aproximámo-nos... O nosso olhar mostrava que aquela vontade era mútua... A distância entre nós era cada vez menor... Fechámos os olhos...
Os nossos lábios tocaram-se lentamente, suavemente, num toque de magia.
Travei aquele beijo, abri os olhos e olhei para ele.

- Desculpa... Não devia ter feito isto... - disse-lhe eu.
- Não foste só tu que fizeste... Fomos os dois, não tens que pedir desculpa... Desculpa-me tu...

Eu fiquei atrapalhada e envergonhada...

- Foi mais forte que eu! - disse-lhe.
- Eu gostei... - disse ele, com um ar de quem estava com medo da minha resposta.
- Eu também...

Aproximámo-nos de novo e beijámo-nos a sério, um beijo longo e doce...

- Foi por isto que eu me afastei de ti.
- Como assim? - perguntou-me.
- Bastou-me estar perto de ti, e percebi que estava a começar a criar sentimentos que não devia... Tive medo.
- A mim bastou-me ver-te dançar...  - disse-me ele - Era impossível não reparar em ti...
- Mas... Isso quer dizer que...
- Que eu gosto de estar contigo, que tu és muito especial e que percebi isso rapidamente.
- Como aquelas coisas à primeira vista? - disse com um ar de inocência.
- Sim... Eu sinto-me bem contigo. Na verdade nós, praticamente, não nos conhecemos, mas... - fez uma pausa - Eu gosto de ti.

Eu fiquei envergonhada, e baixei a cabeça. Não podia acreditar!

- Isto nunca me tinha acontecido... Foi tudo tão rápido! - disse ele.
- Eu também gosto de ti. - disse eu a medo. - Se quiseres, podemos ir devagar, tentar conhecermo-nos melhor, e depois vemos no que dá...
- Eu sinto que já te conheço à muito tempo... Tu és única! Katyanne, eu quero estar contigo.

Aquelas palavras mexeram comigo. Era real... O amor à primeira vista existia mesmo, e a prova estava ali. Não era preciso mais nada, queriamos estar juntos, gostavamos um do outro...
Levantámo-nos.

- Mas, Fábio... O meu coração está a dizer que sente algo sério por ti...
- Estás a querer dizer-me que o teu coração vai começar a fabricar amor verdadeiro, e não vai querer estar longe de mim? - disse-me ele em tom de convencido, na brincadeira.
- Acho que sim! - informei-o.
- E achas que tenho medo disso...?

Corri, fugindo dele. Ele veio a correr atrás de mim... Pareciamos duas crianças felizes a brincar à apanhada.
Ele apanhou-me, abraçou-me e ficámos a olhar um para o outro.

- Eu não acredito que estou aqui contigo... - disse-lhe eu.
- Mas estás... E não precisas de ter medo... O tempo vai ajudar-nos a conhecermo-nos melhor, e sei que vai fazer crescer este sentimento...
- Da minha parte, ele já está a crescer bruscamente!

Beijei-o intensamente...

- Bem, já está a ficar tarde. Eu tenho de ir para casa. - disse-lhe.
- Oh, eu estava aqui tão bem... Mas está bem, vamos, mas só se amanhã almoçares comigo.
- Tu adoras convidar-me para almoçar! Mas ok, para variar eu aceito!

Fomos embora, ele deixou-me em casa.
Eu estava nas nuvens... Cheguei a casa e a Joana ainda estava lá.

- Mas a menina ainda não saiu daqui? - perguntei-lhe.
- A menina vai ficar para jantar! - antecipou-se o meu irmão.
- Hum, ok. Fiquem à vontade, não me incomodam... Não se incomodem por mim, pombinhos! Ai, o amor é tão lindo...!
- Katyanne?! Tens alguma coisa para me contar? - perguntou a Joana.
- Por acaso... Não! Vá, namorem muito!

Tinha uma enorme vontade de lhe contar, mas pensando bem, o Fábio é um jogador conhecido, as coisas não eram muito simples...
Depois de jantar, ele mandou-me uma mensagem.

De: Coentrão :$
"Já tenho saudades tuas... Amanhã vem ter comigo à Luz, almoçamos lá pode ser? É mais discreto..."

Para: Coentrão :$
"Claro que pode... Também já tenho saudades tuas :$"

Eu sentia-me... apaixonada! E não, não é cedo para isso! A chama da paixão acende-se em segundos, e eu acho que a minha estava acesa... Rápido ou não, eu estava a gostar de sentir-me assim!

sexta-feira, 22 de abril de 2011

CAPÍTULO 11 - O desejo de um beijo

- Falei agora com o médico, ele disse que o Hugo está fora de perigo. Foi só um susto. Bateu com a cabeça, vai fazer mais alguns exames, e fracturou o braço. Graças a Deus que não foi nada pior. - disse a minha mãe.
- Ufa, que alívio! Pensei que fosse mesmo grave! Não posso ir vê-lo? - perguntei.
- Ainda não. Ele está a fazer exames. Quando pudermos, o médico avisa.

Olhei para a Ju, ela estava muito aflita, mas tal como eu, mais aliviada.

- Queres ir para casa? - perguntei-lhe.
- Não, eu vou ligar à minha mãe a dizer o que se passou.
- Diz-lhe que dormes na minha casa.
- Está bem, já venho, vou telefonar. - disse a Ju.

Ela afastou-se para ir telefonar. Eu sentei-me à espera de notícias, ao pé dos meus pais.

- Como é que vieste tão rápido? - perguntou a minha mãe.
- Vieram-nos trazer.
- Quem?
- Ai mãe, cusca! O Coentrão!
- Aiii meu deus, só podes estar a gozar filha! - disse-me ela.
- É verdade! Eu ia jantar com eles lá no estádio, mas ligaste-me, eu vim logo.
- Hum... Andas com muitos conhecimentos!

Entratanto a Ju já lá estava e o médico deu-nos ordem para ir ver o Hugo.
Agora só tinhamos que esperar pelos resultados dos exames. Ele veio connosco para a sala de espera. Os meus pais tinham ido beber café, e eu tinha ido comprar qualquer coisa para comer, para mim e para a Joana. Ela tinha ficado ao pé do Hugo. Quando cheguei, a Ju já não estava lá.

- A Joana? - perguntei ao meu irmão.
- Não sei... Deve ter ido à casa de banho.
- Estás bem? - perguntei.
- Achas?
- Pronto, desculpa!

A Joana estava a vir da casa de banho, com uma cara estranha. Sentou-se um pouco distante e eu fui levar-lhe a comida.

- Que se passa? - perguntei-lhe.
- Nada...
- Vá! Podes dizer!
- Eu e o teu irmão beijámo-nos... - disse-me ela.
- O quê???

Ela não respondeu mais. Entretanto os meus pais chegaram, e o médico disse que estava tudo bem com o Hugo e que podíamos ir embora. A Joana passou o caminho todo calada, quando chegámos já era tarde e fomos dormir...

No dia seguinte, assim que acordei, olhei para o telemóvel, que me tinha esquecido de ver devido a tudo o que se tinha passado.

De: David Luiz :$
"Tou preocupado com você :( Assim que souber notícias do seu irmão me fala"

De: Coentrão :$
"Se precisares de alguma coisa diz... Não gostei de te ver assim. Como é que ele tá?"

Respondi-lhes de imediato... Entretanto a Joana acordou, e não falou.

- O que é que deixou assim amuada? - perguntei.
- Epá, não devia ter beijado o teu irmão!
- Então porque é que o fizeste?
- Não sei... Epá, ele é teu irmão! Acho que também não me ia sentir bem no teu lugar... - disse-me ela.
- Tipo, é estranho, não vou mentir... Mas se vocês gostam um do outro eu não tenho nada a ver com isso. Só não quero que se magoem um ao outro, mas que também não se esqueçam que eu existo.
- És tão tonta! E tão ciumenta! - disse-me ela.
- Ahah, e tu és tão parvaaa!

Os meus pais tinham ido trabalhar. A Joana tinha ido falar com o meu irmão e parecia que tinham começado a namorar. Apesar de ser estranho, deixei os pombinhos sozinhos em casa e decidi ir à Luz, ver os treinos. Agora era mais fácil, pois os seguranças já me conheciam e sabiam que eu era amiga dos jogadores.
Cheguei, e passado pouco tempo o Fábio viu-me e acenou-me. Logo a seguir, foi o David. Quando o treino terminou, o Fábio fez-me sinal para esperar por ele. Assim que chegou ao balneário, ligou-me.

- Olá.
- Olá! Que boa surpresa, ver-te aqui. Já te vais embora?
- Não, vou passar na MegaStore. - disse eu.
- Então quando saires, vem ter comigo à saída dos balneários, pode ser?
- Claro. Até já, beijinhos.
- Beijinho.

Tinha ido à loja do Benfica, mas acabei por não comprar nada. Rapidamente, fui ter ao local onde já tinha da outra vez esperado pelo David. Os jogadores estavam todos a sair e cumprimentei-os.

- Veio-nos ver? - disse o David.
- Sim, não tinha nada para fazer...
- Tá dizendo que somos segundo plano! - e riu-se - Não ficou cuidando do seu irmão?
- Não... A Joana está a tratar disso! - e ri-me.
- Queres ir dar uma volta? - perguntou-me o Coentrão
- Eiii Fábio, larga a moça! - disse o Amorim.

O Fábio riu-se envergonhado.

- Não estás cansado? - perguntei.
- O homem é de ferro! - disse de novo o Amorim, em tom de brincadeira.
- Este hoje tirou o dia! - disse o Fábio entre risos - Se estivesse, não te convidava...
- Hum, então aceito! - respondi.

Despedi-me dos rapazes e fui com o Fábio até ao carro dele.

- Onde vamos? - perguntei.
- Deixo à tua escolha...
- É melhor não... Tu é que és o famoso, sabes os sítios onde te sentes mais anónimo...
- Queres ir a uma esplanada perto da praia? - perguntou-me - Prometo que vai ser melhor que aquela nossa ida ao cinema...
- Estás a dizer que foi mau? - disse num tom provocador.
- Claro que não, mas... Pensei que percebias, esquece. - de repente ficou corado.
- Estás com vergonha? - perguntei.
- Eu? Achas? - e rimos os dois.

Chegámos ao café, comemos um gelado e fomos conversando sobre a forma como nos conhecemos.

- Eu confesso que nunca tinha visto ninguém numa discoteca a dançar com tão bem. Pensei mesmo que fosses dançarina profissional. - disse-me ele.
- Ahah que exagero! Bem quando vos vi, passei-me!
- Ahah, exagerámos a olhar para ti, eu sei... Mas eras o centro das atenções daquela noite, temos que admitir...

A conversa continuou... Fomos dar uma volta pela praia, que estava praticamente vazia, onde só sei viam alguns surfistas.

- O David disse-te alguma coisa sobre mim? - perguntou-me se repente, quebrando o silêncio durante a caminhada à beira-mar.
- Não... Depois de o conhecer na discoteca, a primeira vez que falei com ele, foi porque ele me telefonou e por acaso foste o assunto. Mas não foi nada de mais. Ele estava preocupado contigo, porque tu estavas preocupado comigo.
- Oh... Eu tinha gostado muito de todas as nossas saídas, e tu de repente deixaste de me falar. Não me atendias o telemóvel, e depois de ele me dizer que lhe tinhas atendido, fiquei mesmo a pensar que estavas zangada comigo por algum motivo.
- Eu não estava chateada por nada... Estava um bocadinho zangada comigo, talvez... Na altura, achei que era melhor afastar-me de ti... És uma pessoa conhecida...
- Mas, eu não entendo. Afastas-te de mim por ser conhecido, mas depois aproximas-te do David... Isso não faz sentido...

Estávamos sentados na areia...Olhei para ele intensamente. O meu coração batia a mil à hora... Sentia borboletas na barriga... Continuava a olhar para ele intensamente... Tinha vontade de tocar nos lábios dele, tinha mesmo...cada vez mais...

- Para mim faz sentido... - disse-lhe, vendo que também olhava para mim. Acho que ele começava a perceber o que ia na minha cabeça, ou melhor, no meu coração.

Continuavamos a olhar fixamente um para o outro. Sentia que ele era como um íman... A vontade de o beijar não parava de aumentar! Só pensava para mim : "Eu não posso...! Até que eu baixo a cabeça, ele vira a dele, em direcção ao mar, e permanecemos assim, em silêncio...

- Mas agora, já não queres afastar-te de mim? - perguntou-me.

Queria beijá-lo, abraçá-lo... Só eu sei os sentimentos e vontades que passaram pela minha cabeça! Sentia o coração cheio, aconchegado, quentinho...mas ao mesmo tempo acelerado, nervoso, ansioso...
Olhei para ele, e abanei a cabeça dizendo que não...

quarta-feira, 20 de abril de 2011

CAPÍTULO 10 - Amigos de novo

De: David Luiz :$
" Oi linda. Tudo legal?"


Para: David Luiz :$
" Oláá :$ Sim, está tudo, e contigo?"


De: David Luiz :$
" Também. Cê não pensou que eu tinha esquecido de você pois não?"


Para: David Luiz :$
" Claro que não...  :b"


De: David Luiz :$
" Ontem não tive muito tempo para fazer nada. Que é que cê andou fazendo?"


Para: David Luiz :$
" Olha, fui ontem ao sítio onde te conheci!"


De: David Luiz :$
" Sério? Nem convidou pow :("


Para: David Luiz :$
" Oh, desculpaaa"


De: David Luiz :$
" Então agora convido eu :P Só desculpo se você aceitar ir ver o jogo amanhã!"


Para: David Luiz :$
" Claro que aceito!!! "


De: David Luiz :$
" Arranjo dois bilhetes pra você, tá?"


Para: David Luiz :$
" Sim, obrigadão David, és o maior *.*"


De: David Luiz :$
" Nossa, assim fico sem jeito :$"

A conversa foi-se prolongando. Combinámos o sítio onde eu ia buscar os bilhetes, e de seguida liguei à Ju a convidá-la para ir comigo.

(...)

Era Domingo. Estava na hora do jogo! Chegámos à Luz, fui buscar os bilhetes, e entrámos de seguida. Bem, o David era uma pessoa séria, ofereceu-nos mesmo os bilhetes!
O jogo foi excelente! Ganhámos 2-0. No final, fui para o sítio onde tinha esperado o David a outra vez. Tinha combinado agradecer-lhe pessoalmente.

- As meninas não podem estar aqui. Têm que abandonar o estádio. - disse-nos o segurança.

Dissemos que estávamos à espera do David, mas este riu-se e mandou-nos sair.
Saímos, e eu liguei ao David. Ele não atendia... Tornei a ligar... Cerca de 5 vezes...Até que atendeu!

- Oi Katji !
- Olá David. Olha, fiquei à tua espera naquele sítio, mas mandaram-nos embora...
- Pois, eu já 'tava prevendo... Ond'é que cê tá?
- Agora estou cá fora, com a minha amiga... Se calhar é melhor irmos embora... É só porque ela queria ver o Rúben Amorim!
- Ei, então não vai embora não...

O David deu-me as instruções por onde ir, e foi buscar-nos a um local dentro do estádio. Com ele, podíamos andar por onde quisessemos.
A Ju estava cheia de vergonha...

- Olha, nós vamos ficar aqui um tempão, vamos jantar aqui, cês jantam connosco? - perguntou ele.
- É melhor não, isso parecia mal...

De repente avistei os jogadores, que pareciam estar à espera do David. Aproximámo-nos deles. O David fez as apresentações, e de repente aparece o Fábio, que se tinha atrasado no balneário.

Eu, o Fábio e o David ficamos os 3 a olhar uns para os outros... Ele aproxima-se, cumprimenta a Joana e depois cumprimenta-me, dizendo um "Olá" amargo.
O David vai para perto dele.

- Mano, desculpa aí. Ela ficou minha amiga... Espero que você não fique chateado, sei que vocês estão zangados. - disse o David ao Fábio.
- Achas, meu? Tás parvo... Eu conheci-a ao mesmo tempo que tu, tipo, nós já não falamos tanto, é só isso... Tá tudo na boa. - disse o Fábio.
- Vai falar com ela, vai! - disse o David.

Eu e a Joana, no meio do grupo, fomos andando em direcção ao restaurante da Luz. Eu já tinha dito ao Amorim que a Ju era louca por ele, e eles já estavam na conversa.
O Fábio estava perto de mim, e ficámos um pouco para traz a conversar.

- Então, estás boa? - perguntou.
- Sim, e tu?
- Também... Estás chateada comigo?
- Não... Tu estás?
- Não... Tu deixaste de falar comigo... Foi pela cena do cinema?
- Fábio... foi por várias coisas. Eu achei que não era bom continuar a falar contigo!
- Pois... e agora falas com o David...
- Desculpa... Eu percebi que estava a ser parva quando vi que também tinhas mudado de atitude comigo... Eu sei que tu agora devias estar mesmo chateado comigo, eu merecia.
- Não digas isso... Olha... já passou, está bem? Amigos? - disse-me sorrindo.
- Amigos! - apertei-lhe a mão e ambos desatámos a rir.

Juntámo-nos ao grupo, já tinhamos chegado ao restaurante.

- 'Tou vendo que já se falam dji novo... - disse-me o David.
- É... Foi uma coisa parva! Olha, obrigado por tudo, David. A sério. Obrigado mesmo!
- Cê não tem que agradecer, é para isso que servem os amigos.

Já tínhamos entrado no restaurante quando recebo uma chamada.

- Katyanne, onde é que tu andas??? - era a minha mãe.
- Estou no Estádio da Luz, vim jantar com os jogadores... Desculpa não ter avisado, mãe.
- O teu irmão teve um acidente!!! Estamos a ir agora para o hospital!
- O quê??? - disse alto, deixando a Ju preocupada.
- Vem-te embora, vai ter ao hospital!
- Mas, ele está bem???
- Eu acho que não! Vá, eu vou desligar! - notei que a minha mãe estava descontrolada.

Desatei a chorar...
Todos me perguntavam o que se passava.

- O meu irmão...
- O que é que tem? O que é que se passa? Diz!!! - disse a Ju, aflita.
- Teve um acidente!! Desculpa David, eu tenho de ir embora...
- Claro, claro! Eu tji levo!
- Não, não é preciso, tu já fizeste muito por mim. - disse-lhe eu.
- Eu posso levar-te. - disse o Fábio.
- A sério, deixa estar. Nós vamos de taxi.
- Eu insisto. Mano, eu já volto. Vá, venham...tem calma. - disse o Fábio.

Liguei de novo à minha mãe, para saber qual era o hospital. O Fábio deixou-nos lá.

- Olha, depois diz qualquer coisa, está bem? - disse-me o Fábio.

Abanei a cabeça dizendo que sim. Os meus olhos queriam chorar de novo.

- Vai estar tudo bem, tem calma. - deu-me um beijinho na testa. - Até amanhã.
- Até amanhã, obrigado. - disse-lhe eu.
- Tchau Joana. - disse ele.
- Tchau, obrigada. - disse ela.

Fomos a correr ter com a minha mãe.

- Mãe! O Hugo???
 (...)
Como é que ele está??? Diz-me!!!

domingo, 17 de abril de 2011

CAPÍTULO 9 - Conversa matinal, noite dançante

No dia seguinte, acordei. Abri os olhos e segundos depois pensei : "A Ju? Ela dormiu cá! Onde é que ela foi?"
Ela não estava lá no quarto. Levantei-me e fui ver se estava na cozinha.

- Bom dia maninha! - diz o meu irmão.

Wow, ele e a Joana estavam a tomar o pequeno almoço juntos, em pijama. Que romântico.

- Bom dia. Bem menina, madrugaste? - perguntei eu à Ju.
- Achas. Aqui a melga do teu irmão é que apareceu quando fui à casa de banho e fez questão de preparar o pequeno almoço para nós. - respondeu ela.
- Obrigadinha por se lembrarem de mim. - dizia eu enquanto lhes roubava uma torrada.
- Não te quis acordar, está aqui que chegue para ti. - disse-me o Hugo.

Sentei-me com eles a comer. Não queria ser vela, mas também não os ia deixar sozinhos. É estranho pensar que o meu irmão e a minha melhor amiga podem ter algo...

- Hoje vai haver festão no Dreams, com um dj novo. - disse-me a Joana.
- Não estou com muita vontade de sair. - respondi.
- Oh, bora lá. A Rita disse que ia, vem lá Katte.
- A minha irmã não é menina dessas coisas, agora que eu voltei não a quero fora de casa a essas horas. - disse o meu irmão num tom protector.
- Ahah, olha o paizinho a falar. - disse eu.
- Huguinho, sabes que eu tomo sempre conta da tua menina. - disse a Ju.
- Não sei qual de vocês é a pior! Mas estou a falar a sério, não gosto que ela saia à noite.
- És muito engraçadinho mano!
- Olha é verdade, Joana, podes-me explicar essa história da Katyanne conhecer o Fábio Coentrão, o Jesus, sei lá quem...
- O Jesus??! Ahah, é o David Luíz, oh totó! - disse eu.
- Eu não abro a boca. - disse a Ju.
- Ele não acredita que eu os conheço.
- Conhecê-mo-los no Dreams, é verdade Hugo. - disse a Ju.
- Ahhh, então é por isso que gostam tanto de lá ir!

Depois da conversa fui tomar banho e vestir-me. A Joana foi para casa. Tinha acabado por me convencer a ir sair. Ainda me tinha passado pela cabeça convidar o David, mas para além de ter vergonha de o fazer, achei que era melhor não.

Depois de jantar, a Ju foi ter à minha casa, depois fomos buscar a Rita e lá fomos para o Dreams. Nós dançámos, dançámos e dançámos. Era assim que eu me sentia feliz.  Depois de uma grande noite fomos para casa, sóbrias como sempre, pois nós não gostávamos de beber excepto a Rita que costumava ficar sempre mais alegre.

No dia seguinte, acordei com o meu irmão a chamar-me:
- Katyanne é meio dia e meia! Vai despachar-te, temos de ir almoçar à casa da tia!

Levantei-me, fui tomar banho e vestir-me, tudo muito rápido. Só no carro é que tive tempo de olhar para o telemóvel. Tinha uma mensagem... De: David Luíz :$

quinta-feira, 14 de abril de 2011

CAPÍTULO 8 (Parte II) - "Ele é espectacular, é simpático..."

- Pois... Eu já não sei. - disse eu ao David.


O telemóvel dele tocou.


- 'Tou mano!


Era o Fábio que lhe estava a ligar.


- Eu vim resolver problema pra você.
(...)

Nada, nada, estou brincando.
(...)

Tá bom, eu vou lá ter depois. Fica bem.


Desligou o telemóvel e olhou para mim.


- Era o Fábio. - disse-me ele.
- Precisas de ir embora? - perguntei.
- Não, ele só estava perguntando onde é que eu tinha ido, com tanta pressa.
- Bem, olha, se ele não quer falar comigo tudo bem. Faz de conta que nunca o conheci e pronto.
- Ei garota, eu não sei o que é que posso fazer. Eu tji conheci quando ele tji conheceu, sei que vocês foram sair várias vezes mas também não sei porque é que se estão chateando assim, mal se conhecendo.
- Pois, nem eu. Esquece. Desculpa ter-te feito perder o teu tempo com estas coisas infantis.
- Você não é infantil, não. Você me parece ser bem decidida... Não vai querer deixar de falar comigo também, não?
- Achas? Claro que não. Eu adorei conhecer-te, mesmo. Obrigado por teres sido tão simpático comigo.
- 'Cê não tem que agradecer nada, viu?


Eu baixei a cabeça e sorri.


- Bom, é melhor ir andando, tenho que passar por casa, vamos todos na casa do Rúben fazer tipo um festão. Até que convidava você se fosse na minha casa. - disse-me ele com um sorriso maroto.
- Ahah, fica para a próxima.
- Fica mesmo, não tou brincando não.


Eu sorri de novo, e ambos nos levantámos.


- Cê quer que tji leve a casa?
- Não é preciso, obrigado, pedi à minha melhor amiga para esperar por mim no Colombo, vamos dar uma volta.
- Então me ofereço para te deixar no Colombo, mesmo sendo aqui ao lado!
- Hum, ok, aceito.


Ele deixou-me no Colombo, despedimo-nos com dois beijinhos na face, e ao fechar a porta ele sorriu para mim.


Para: MelhorAmiga(L)
" Vem ter comigo à entrada de cima @"


De: MelhorAmiga(L)
" Estou a ir vadiaa :b"



A Ju não demorou muito a chegar. Contei-lhe tudo o que se tinha passado.


- OMG, tu e o David Luíz, sentados a conversar, no estádio da Luz! Se não fosses tu eu nem acreditava no que me estás a dizer! - disse-me ela super-admirada.
- Pois, mas é mesmo verdade... Ele é espectacular, é simpático...
- Uiiii...! E o Fábio?

- Não sejas parva! O Fábio está lá na vida dele. Já vi que ele é só mais um daqueles jogadores convencidos e arrogantes, acha que é muito importante.
- Desculpa mas ele parece ser muito humilde, não acredito que as coisas sejam precisamente assim. Cá para mim tu tens um fraquinho por ele e estás danada!
- Joana Maria! - disse-lhe elevando o tom da voz, pois ela assim já sabia que a conversa não estava a agradar-me.


Demos umas voltas e depois fomos para casa. A Ju dormiu lá. Adormeci a pensar em como estaria a ser a festa na casa do Rúben...

terça-feira, 12 de abril de 2011

CAPÍTULO 8 (Parte I) - Conversa no estádio da Luz

Era quinta-feira, da última semana de aulas. Para variar, o Fábio não me saía da cabeça. Não tinha grande parte do dia ocupado, e algo me disse que eu devia falar com o Fábio. Eu estava a ser infantil, tinha noção disso, mas só estava a tentar proteger-me.
Pensei muito... "Será que devo ligar-lhe?"... Até que pensei em ligar ao David, visto que ele tinha sido tão simpático comigo, talvez me ajudasse.


- Estou, David?
- 'Tou? Você mi ligando? Tá tudo legal?
- Sim, está. Surpreendi-te assim tanto?
- Não, não! Cê podji ligar sempre que quiser.
- Olha, eu precisava de falar contigo, se tiveres uns minutos, claro.
- É sobre o Fábio?
- Sim...
- Olha eu daqui a quinze minutos vou treinar, se quiser falar rapidinho ou então ligo depois pra você.
- Ah... vais treinar! O Fábio está aí?
- Sim, tá. Olha, boa ideia, porque é que você não vem ver a gente?
- Achas que posso? Ou...devo?
- Sim, claro. Assim eu via você pessoalmente, é que a única vez que vi você foi bem no meio de todas as luzes da discoteca, não deu pra ver bem, não!
- Ahahah, pois...
- Assim falava o que queria, e aproveitava falava com o Fábio.
- Ok, vou fazer isso então. Até já.
- Até já, um beijo.


Cheguei ao estádio, e sentei-me em baixo, bem perto do relvado para que eles me pudessem ver. O David olhou para mim, e de seguida chamou o Fábio apontando na minha direcção. Acho que estava a perguntar ao Fábio se era mesmo eu. É provável que o David não se lembrasse bem da minha cara, pois só me tinha visto uma vez, mas depois de trocar duas ou três palavras com o Fábio, acenou-me. Também lhe acenei, e olhei para o Fábio à espera de um acto semelhante ao do David, mas ele simplesmente olhou, e continuou o seu treino. Os dois foram conversando, e no final do treino, o David dirige-se perto da bancada onde eu estava.


- Oi! Cê veio mesmo!
- Se calhar não devia ter vindo...
- Não diz isso não. Olha vou tomar um banho e me arrumar. Cê não pode entrar junto dos balneários, me espera junto daquela entrada restrita aí em cima, cê sabi?
- Sim.
- Tá bom, então não me demoro.


Reparei que enquanto eu falava com o David, o Fábio olhou, e de seguida entrou para os balneários. Ele parecia estar mesmo chateado comigo... Dirigi-me então à zona onde tinha combinado esperar pelo David.


- Demorei? - perguntou ele ao chegar.


Abanei a cabeça indicando que não. Ele aproximou-se e cumprimentou-me com dois beijinhos. Fiquei calada e corada, como uma criança quando está com vergonha.


- Que se passa? Cê tá com vergonha?
- Não... Mais ou menos!


Bem, ver o David Luíz aproximar-se com os seus caracóis molhados, perfumado e a vir dar-nos um beijinho na cara... Qualquer pessoa ficava assim!


- Não tem vergonha não, gata!
- Assim fico ainda pior! - disse eu a rir-me.
- Me desculpa! Bem, queria falar comigo, tem aqui café privado prós jogadores, quer ir lá?
- Mas depois o Fábio não aparece lá?
- Ah...pois... - coçou a cabeça - deve sim. Mas você não quer falar com ele?
- Ele está chateado comigo...
- Sim, eu sei! Mas você não quer resolver?
- Pois...não sei...
- Nossa, estamos tendo já toda a conversa aqui! Vem, vamo pra um lugar bem no cimo do estádio e conversamos em paz.


Segui-o até ao elevador. Entrámos, e o telemóvel dele tocou.


- 'Tou? 'Tou? Não tenho rede aqui! - e desligou.


A porta do elevador abriu-se e fomos dar a uma sala de convívio com uma vista linda para o estádio. Ele indicou-me um sítio para me sentar e foi ao bar. Depois, chegou ao pé da mesa com dois sumos, e sentou-se.


- Bom, podemos falar então.
- Bem, eu sei que tu és amigo do Fábio, e quase não me conheces, mas eu queria saber se ele te disse alguma coisa sobre mim...
- Sim, ele fala muito dji você, foi por isso que eu liguei na outra vez. Ele ficou triste e preocupado porque você não atendia o telemóvel pra ele. E depois que você atendeu pra mim, ele ficou fulo.
- Eu só decidi afastar-me porque... Eu acho que tu sabes qual é a imagem que os jogadores passam em questão às mulheres.
- Sim, vocês pensam que nós queremos pegar todo o mundo e não sentimos amor por nenhuma.
- Pois... E eu tive medo de criar algum tipo de sentimento e depois sair magoada... É claro que eu estava a pensar só em amizade...Mas eu nunca tive um amigo famoso, essas coisas às vezes são complicadas.
- Agora eu entendo porque é que o Fábio simpatizou com você...
- Porque é que dizes isso?
- Porque você é diferente das outras mininas, você não se atirou pra nós!
- Pois, eu não sou assim, mesmo...
- Eu já vi... E nós também não somos como você 'tá pensando... Somos homens normais, e olha que o Fábio é homem sério, ele não brinca não. E não seria capaz de brincar com você, acredita!

sábado, 2 de abril de 2011

CAPÍTULO 7 - Ele está preocupado

Sonhei com o Fábio... No dia seguinte acordei a pensar nele... Isto não me podia estar a acontecer!


Fiquei à espera de receber alguma sms dele, mas parecia que não se tinha lembrado de mim! Está decidido: para mim, ele nunca existiu!


No dia seguinte o telemóvel tocou...era ele!
Não atendi, e ele tentou novamente. Tive vontade de atender, mas não o fiz. De noite, tornou a ligar-me e eu voltei a não atender.


Já era agora quarta-feira e eu só tinha 2 aulas.


- Cheguei! - disse eu enquanto entrava em casa.
- Olá mana! Olha vou comprar uns ténis, queres vir comigo? - perguntou o meu irmão.
- Sim, pode ser, não tenho nada para fazer aqui...


Tínhamos acabado de chegar ao centro comercial, quando o meu telemóvel toca.


- Não conheço o número. - disse eu.


Atendi...


- Estou?
- Oi. É o David, cê se lembra? Tji conheci naquela discoteca, junto com Fábio. Cê sabe?
- David Luíz? - perguntei.
- Esse mesmo. Ahahah! Tudo legal?
- Sim, tudo! E contigo?
- Sempre. Olhe, sei que quase nunca falámos mas o Fábio já me falou muito dji você e agora o cara anda preocupado porque você não tem falado pra ele. Ele não queria que eu ligasse não, mas achei melhor.
- Ah... Eu... Tenho estado ocupada.
- Cê não quer falar com ele, não?
- Não temos muito pra falar... Olha desculpa mas eu agora não posso falar, está bem? Diz-lhe que depois falamos...
- Hum, tá bom... Olha posso guardar seu contacto?
- Claro!
- Tá bom, valeu. Um beijo.
- Tchau, beijinho...


- Porque é que disseste "David Luíz" ? - perguntou o meu irmão.
- Porque estava a falar com ele... - respondi.
- Ahahah ya.
- Não percebi essa.
- De onde é que tu conheces o David Luíz?
- Tipo, conheci-o numa discoteca...
- Não me digas que foi com ele que foste almoçar...
- Não! Fui com o Fábio Coentrão...
- O quê? Oh Katte tás mesmo mal hahaha
- Não acredites... azar o teu! Tontooo


Para: MelhorAmiga(L)
" Amor, o David Luíz ligou-me :$. Disse que o Fábio anda preocupado por eu não lhe atender o tlmvel..."


De: MelhorAmiga(L)
" Estás a gozar?! Bem que sortudaa! Ele está caidinho por ti! Aproveita!"



Para: MelhorAmiga(L)
" Sabes que não sou assim Ju... Eu quero afastar-me dele, já te expliquei o porquê..."



De: MelhorAmiga(L)
" Estás a ser uma tonta!!! "



Fiquei a pensar no assunto... Mas a minha decisão mantinha-se... Eu não podia sentir nada pelo Fábio, não podia mesmo... Mas depois do que o David me disse... O que será que devo fazer?